Em formação

Italiano: Tópicos do exame estadual 1999

Italiano: Tópicos do exame estadual 1999

Ensino Médio - Para todos os endereços: triagem e experimental

Faça o teste, escolhendo um dos quatro tipos propostos aqui

TIPO A

ANÁLISE DE TEXTO

Giuseppe Ungaretti, Os rios

1 Fico nessa árvore mutada
2 abandonados neste buraco1
3 que está definhando
4 de um circo
5 antes ou depois do show
6 e olha
7 a passagem tranquila
8 das nuvens na lua

9 Deitei-me esta manhã
10 em uma urna de água
11 e como uma relíquia
12 eu descansei

13 O Soča fluindo
14 me suavizou
15 como sua pedra

16 eu parei
17 meus quatro ossos
18 e eu fui embora
19 como um acrobata
20 na água

21 agachei-me
22 ao lado de minhas roupas
23 guerras confusas
24 e como um beduíno
25 Eu me abaixei para receber
26 o sol

27 Este é o Isonzo
28 e melhor aqui
29 eu me reconheci
30 uma fibra dócil
31 do universo

32 minha tortura
33 é quando
34 eu não acredito nisso
35 em harmonia

36 Mas os ocultos
37 mãos
38 que me intrometem
39 me dê
40 os raros
41 felicidade

42 eu passei por isso
43 eras
44 da minha vida

45 Estes são
46 meus rios

47 Este é o Serchio2
48 para o qual eles atraíram
49 dois mil anos talvez
50 pessoas do meu país
51 e meu pai e mãe

52 Este é o Nilo
53 quem me viu
54 para nascer e crescer
55 e queimar com inconsciência
56 nas vastas planícies

57 Este é o Sena
58 e em sua turbidez
59 eu me misturei
60 e eu conheci

61 estes são meus rios
62 contados no Isonzo

63 Este é o meu desejo
64 do que em cada um
65 brilha através de mim
66 agora que é noite
67 que minha vida me parece
68 a corolla
69 da escuridão

Coticis em 16 de agosto de 1916

Nota 1dolina: concavidade do solo (formado pela ação da água da chuva) típica do Karst.
Nota 2 Serchio: rio de Lucca, terra de origem da família Ungaretti.

Giuseppe Ungaretti (1888-1970), de uma família da Toscana, nascido em Alexandria, no Egito, viveu em Paris em sua juventude. Durante a Primeira Guerra Mundial, ele lutou na frente italiana e, assim como estava na frente, compôs muitos poemas da coleção L´allegria (publicado em várias edições, a partir de 1919).
Este poema também foi escrito enquanto o poeta estava na frente, na área de Karst, nas margens do Isonzo, o rio que era uma importante zona de guerra e cuja paisagem permaneceu mutilada. O poeta-soldado Ungaretti mergulha neste rio, em busca de refresco e revisa os rios que marcaram as etapas de sua vida.

1. Parafrase e entendimento geral.

Depois de parafrasear esse poema, resuma brevemente o conteúdo dos três estágios em que está dividido (vs. 1-26), (vs. 2741), (vs. 42-69).

2. Análise e comentário sobre o texto.

2.1 O que cada rio representa na vida do poeta?

2.2 Explique o significado dos versículos 9-12. Esta manhã eu deitei / em uma urna de água / e como uma relíquia / descansei, identificando também em outras expressões do texto os elementos de sacralidade presentes na letra

2.3 Que significado simbólico acquache acompanha a jornada do poeta de autodescoberta e recuperação do passado através da memória?

2.4 Por que razões o poeta define seu próprio bilhete de identidade contendo sinais que lhe permitem se reconhecer?

2.5 Ungaretti, como outros poetas da época, alerta para a necessidade de encontrar novos meios de expressão, diferentes dos tradicionais e mais adequados para representar a fragilidade e precariedade da condição humana. Explica em que consiste a chamada revolução métrica feita pelo poeta nesta primeira fase de sua experimentação formal, indicando também alguns exemplos nessa letra.

3. Insights.

O tema da viagem, muitas vezes metafórico, é um motivo recorrente na literatura simbolista e decadente. Você conhece outros poemas de outros autores que tratam desse tema?

TIPO BEdição de um pequeno ensaio ou de um artigo diário

(você pode escolher um dos tópicos relacionados às quatro áreas propostas)

ENTREGAS
Desenvolva o tópico escolhido ou na forma de um pequeno ensaio ou artigo de jornal, usando os documentos e práticas que o acompanham e prejudicando seu conhecimento e experiência de estudo.
Dê um título ao seu tratamento.
Se você escolher a forma do pequeno ensaio. indica o destino editorial (revista especializada. dossiê de pesquisa acadêmica e documentação, revisão cultural, outros).
Se você escolher a forma do artigo de jornal, indique o tipo de jornal em que está publicando (jornal, revista vulgaris, jornal da escola, outro).
Para atualizar o tópico, você pode consultar circunstâncias imaginárias reais (exposições. Aniversários, conferências ou grandes eventos).
Não exceda quatro ou cinco meias colunas da folha de protocolo.

1. ÁREA ARTÍSTICA - LITERÁRIA

TÓPICO: Poetas e escritores em face da grande guerra

DOCUMENTOS

Queremos glorificar a guerra - apenas a higiene mundial - 11 militarismo, patriotismo, gesto
destruidor de libertadores, as belas idéias pelas quais você morre e o desprezo pelas mulheres.
PÔSTER DO FUTURISMO, Le Figaro, 1909

Edição da noite! À noite! À noite!
Itália! Alemanha! Áustria!
E na praça, lugubriosamente listrada de preto, um filete de sangue púrpura jorrou!

Um café quebrou o focinho em sangue,
imporporated por um grito firme:
O veneno de sangue nos jogos do Reno!
O trovão dos obus no mármore de Roma!

Do céu rasgado contra os espigões das baionetas
lágrimas de estrelas pingavam como farinha em um pano
e pena, esmagada pelas solas dos pés, gritou:
Ah, me deixe, me deixe, me deixe
Vladimir MAJAKOVSFKIJ, 1914

nós somos muitos. A guerra é uma operação malthusiana. Há muita coisa desse lado e muita coisa pressionando juntos. Ela manterá seus fósforos uniformes. Vácuo para respirar melhor, deixe menos bocas ao redor da mesma mesa. E ele remove um número infinito de homens que viveram porque nasceram; quem comeu para viver, quem trabalhou para comer e amaldiçoou o trabalho sem coragem de recusar a vida [...].
Entre os muitos milhares de carniça abraçados na morte e não mais diferentes do que na cor das roupas, quantos serão, não-naturais para chorar, mas para lembrar? Eu colocava minha cabeça nela para não alcançar os dedos das mãos e dos pés juntos [...].
Giovanni PAPINI, Adoramos a guerra, em Lacerba, Il, 20, 1914

É uma lição antiga! A guerra é um fato, como tantos outros neste mundo; é enorme, mas é o único; ao lado dos outros, que foram e quem serão: ele não o adiciona; não tire nada de você. Nada muda no mundo. Nem a literatura: [...].
Sempre o mesmo refrão: a guerra não muda nada, não melhora, não resgata, não cancela:
por si só. Não faz milagres. Não paga dívidas, não lava pecados. Neste mundo, que não conhece mais a graça.
O coração luta para admitir isso. Gostaríamos daqueles que lutaram; sofridos, resistidos por uma causa que é sempre santa, quando isso faz com que alguém sofra, eles saíram do julgamento como se fossem quase um trabalho de parto: tudo o mais difícil. E aqueles que morrem, pelo menos aqueles, foram ampliados, santificados: sem mancha e sem culpa.
E então não. Nem sacrifício nem morte acrescentam nada a uma vida, uma obra, um legado 1 ...]. O que mudará nesta terra cansada depois de ter bebido o sangue de tanto massacre: quando os mortos e os feridos, os torturados e os abandonados dormem juntos sob as placas, e a grama acima dela será nova e brilhante, cheia de silêncio e luxo nos sol da primavera que é sempre o mesmo? [...]
Renato SERRA, Exame de consciência de um homem literário, em LaVoce, 30.4.1915

[...] A imensa comporta, no entanto, é acesa sobre nós, nosso povo ou irmãos: e que nosso gênio deseja que continue, e que o fogo dê origem e que o fogo durará até todo o metal derreter, até que o elenco esteja pronto, até que o impacto do ferro abra o caminho para o sangue em brasa da ressurreição [...].
Gabriele D´ANNUNZIO, Festival dos Mil (do Discurso proferido no Quarto em 05.5.1915)

Guerra! Que sensação de purificação, libertação, de imensa esperança nos invadiu então! [...]. Foi a guerra por si mesma que excitou os poetas, a guerra como uma calamidade, como uma necessidade moral. Foi o aperto inédito, poderoso e apaixonado da nação, na vontade de um teste extremo, uma vontade, uma resolução radical como a história dos povos até então talvez ele não soubesse. [...]. A vitória da Alemanha será um paradoxo, ou melhor, um milagre, uma vitória da alma sobre a maioria. A fé nisso vai contra a razão. [...] A alma alemã é profunda demais para que a civilização se torne o conceito mais popular. A corrupção ou a desordem da burguesia lhe parecem um horror ridículo. A paz não é precisamente o elemento da corrupção civil, corrupção que parece divertida e desprezível ao mesmo tempo?
Thomas MANN, Pensamentos de guerra, novembro de 1914, em Writers and políticos, trad. en. Milão, 1957

2. ÁREA SOCIAL E ECONÔMICA

TÓPICO: As transformações causadas pelas mudanças sociais das últimas décadas na estrutura da família italiana

Na base da formação e sobrevivência de uma família tradicional, toda permeada pela moralidade cristã, como era a família italiana até a década de 1950, havia duas regras fundamentais:
1) relação sexual permitida apenas entre cônjuges; 2) o casamento considerado uma união vitalícia. A estes foram acrescentados: a assimetria entre os dois sexos em relação aos papéis na família, a atitude orientada para a criança do casal pelo grande valor atribuído aos filhos; o vínculo forte afeta o parentesco [...]. O extraordinário aumento da educação e um grande crescimento político e ideológico levaram as mulheres a uma consciência ampla e profunda de seus direitos e status (o que, entre outras coisas, gerou uma contribuição muito grande à força de trabalho que mudou glistereótipos dos papéis dos dois sexos) e um consequente crescimento da identidade e auto-consideração fora do contexto familiar. Tudo isso contribuiu para modificar fortemente a estrutura assimétrica da união conjugal, empurrando-a cada vez mais para uma estrutura simétrica,
A. GOLINI, Perfil demográfico da família italiana, na família italiana do século XIX até o presente, Laterza, Bari 1988

Atualmente, a família moderna está em situação de crise: seus lados positivos estão sendo questionados gradualmente, bem como sua validade na sociedade ocidental, e isso acontece de maneira mais radical, como você pode imaginar, entre os jovens. ] No entanto, a família é sem dúvida a instituição mais importante na esfera privada [...]. Houve uma mudança substancial na posição social geral da família. Isso implica uma consequência notável, a saber, uma enorme diferença na relação microcosmo e macrocosmo [...]. Hoje, nas sociedades modernas, a barreira entre o microcosmo da família e o macrocosmo da sociedade é geralmente muito acentuada e clara, e não se segue que o indivíduo, desde seu nascimento até a maturidade, atravesse uma série de limites sociais claramente definidos. Atravessar esses limiares com muita frequência o leva a se afastar da família onde iniciou sua carreira na sociedade.
P.L - B. BERGER, A dimensão social da vida cotidiana, ilMulino, Bolonha, 1987

Os filhos de 2000: o número de filhos de 0 a 13 anos com ambos os pais ocupados (39,3) aumenta; o número de filhos com pai ocupado e mãe dona de casa diminui (41,3), filhos sem irmãos (26,7) ou com um irmão (52,5) aumentam; crianças com 2 ou mais irmãos diminuem (20,6) [...]. Pessoas solteiras aumentam (21,3); casais sem filhos aumentam (20,8); Famílias de 2 componentes aumentam (26,4) [...]. O casal de passageiros nasceu: existem 2 milhões e meio de pessoas, 11 4,5% da população vivendo por longos períodos fora de casa, por motivos de estudo ou trabalho. Entre estes, no entanto, também parceiros que preferem manter dueabitazioni. Viajantes por escolha ou necessidade. Depois, há novos tipos de famílias: aquelas compostas por pais solteiros viúvos, uniões livres e famílias reconstituídas: 3 milhões e meio de famílias, 10,4% da população italiana.
(Corriere della Sera, 30 de março de 1999)

3. ÁREA HISTÓRICA - POLÍTICA

TÓPICO: Resistência intelectual ao nazismo

Passo retirado da autobiografia de Klaus Mann, filho de Thomas, um escritor como seu pai, e emigrou da Alemanha para os Estados Unidos. Do meu diário. Nova York, junho de 1944)

Os nazistas em Paris. A Alemanha se alegra, todos, infelizmente, a Alemanha. Hitler voa com alegria. Um pesadelo ... Mas tão cruel e atroz só pode ser realidade.
As notícias da França estão ficando cada vez mais nojentas. É evidente que alguns círculos franceses muito influentes queriam e favoreciam a derrota de seu país. Melhor a ocupação da Alemanha do que o domínio da frente popular. Eu mesmo ouvi declarações semelhantes: o marechal Pétain certamente também é dessa opinião. O vencedor de Verdun tornou-se o patife do inimigo. Odiosovecchiaccio! (Muitas vezes, hoje, somos forçados a odiar!)
Importante: Como as coisas são hoje, o extremo conservadorismo leva não apenas à imbecilidade total, mas também a toda infâmia. Pobre França traída por uma infâmia idiota.
Único raio de luz: De Gaulle (repentinamente ressurgiu em Londres e que hoje disse que coisas eficazes são entendidas, ele também é um conservador).
Se os Estados Unidos continuassem neutros, isso exacerbaria a Inglaterra, se Hitler marchasse sobre Londres, como ele marchou em Paris e os Estados Unidos não mexeram um dedo para defendê-lo, o que seria da democracia americana? Um americano que tolerasse a vitória do fascismo, por sua vez, amadureceria para o fascismo. Pensamento assustador! Em vez de um decrépito maresciallosi, ele teria aqui, atuando como Quisling, um brilhante aviador do oceano: Charles Lindbergh na Casa Branca.
Mas não: Roosevelt está na Casa Branca. o não pode acontecer aqui!
Klaus MANN, O ponto de viragem, 1958 (tradução em italiano em 1962)


Quadro do famoso filme The Dictator, lançado em Nova York em setembro IS 194Q, no qual Chaplin interpreta o papel de Hitler.

Da Autobiografia, escrita por Chaplin após a guerra e publicada em 1964.

Se soubesse o quão assustadora era a realidade dos campos de concentração, não poderia ter feito o ditador; Eu não teria encontrado nada para rir na loucura do assassinato de Deinazi.
Charles Chaplin, Minha autobiografiatrad. Milão 1964

4. ÁREA TÉCNICA - CIENTÍFICA

TÓPICO: Progresso científico-tecnológico e recursos do planeta: um desafio para o próximo milênio

DOCUMENTOS

Muitos pensadores respeitáveis ​​acreditam que estão enfrentando um novo século de inevitável progresso econômico e tecnológico [...]. Essa visão do futuro, alimentada pelo emocionante progresso das tecnologias da informação e das telecomunicações, [...] reflete uma nova concepção da espécie humana. para a qual a sociedade se considera livre da dependência do mundo natural [...]. A satisfação pessoal desse ponto de vista leva a subestimar nossa dependência do mundo natural e nossa profunda vulnerabilidade.

... o sistema atual produziu sérios desequilíbrios no consumo de energia e no bem-estar social: a partir de seus benefícios
cerca de dois bilhões de pobres (um terço da população mundial), que ainda não têm eletricidade, são excluídos
eles usam biomassa para cozinhar [madeira, vegetais e resíduos orgânicos em geral]. Hoje um quinto da humanidade -
o mais rico - consome 58% da energia do mundo, enquanto um quinto - o mais pobre - consome menos de 4%.
Os Estados Unidos, com 5% da população mundial, consomem cerca de um quarto do suprimento global de energia [...].

Uma economia é ecologicamente sustentável apenas se atender ao princípio da sustentabilidade, um princípio que tem suas raízes na ciência ecológica. em uma economia sustentável, a pesca não excede os limites naturais da pesca, a quantidade de água bombeada no subsolo não excede a regeneração das águas subterrâneas, a erosão do solo não excede o ritmo natural de formação de novos solos, o corte de árvores não excede florestação e emissões de carbono não excedem a capacidade da atmosfera de fixar CO2. Uma economia sustentável não destrói espécies vegetais e animais a uma taxa mais rápida do que a de sua evolução [...].

Uso mundial de energia, 1900 e 1997

fonte1900
milhões de toneladas
equiv. Petróleo
%1997
milhões de toneladas
equiv. Petróleo
%
carvão50155212222
Petróleo182294030
natural91217323
nuclear005796
energias renováveis ​​138342183319
TOTAL9111009647100

1Inclui biomassa, hidrogênio, vento, energia geotérmica e solar.

(Tabela e citações são retiradas de: Estado do mundo 99. Estado do planeta e sustentabilidade. Relatório anual, Edizioni Ambiente, Milão 1999, pp 19, 4344, 15-16, 25)

... se a evolução do sistema mundial puder continuar de acordo com as tendências atuais, sem intervenção consciente da sociedade humana, o efeito combinado do crescimento populacional, superexploração dos recursos naturais, poluição, produzirá uma crise em escala global em uma época que remonta a meados do próximo século.
(Diretório de Estatísticas, na Enciclopédia Europeia, XII, Milão, 1984, pp. 90 1-902)

Os avanços na medicina e na higiene pública permitiram um crescimento drástico da população, reduzindo doenças e mortalidade infantil. Ao mesmo tempo, a licença agrícola aumentou a produção de alimentos, em grau suficiente para alimentar essa enorme população, embora com diferentes padrões alimentares e com exceções cada vez mais frequentes [...].
Por um lado, a ciência e a tecnologia são reconhecidas como forças emancipatórias, livres de doenças e condições intoleráveis ​​de trabalho, mas, por outro lado, são forças de exploração imperialistas, porque impõem a industrialização e os valores ocidentais a comunidades ainda privadas de bens. elementar [...].
Portanto, existe um problema genuíno, que, em uma palavra, é o seguinte: como podemos tornar a ciência mais humana? Alguns argumentam que uma das reações mais construtivas ao movimento anticientífico foi o desenvolvimento de uma ciência crítica caracterizada em geral por uma sensibilidade mais acentuada ao equilíbrio ecológico.
Stewart RICHARDS, Filosofia e sociologia da ciência, Armando. 1998

TIPO CTÓPICO TÓPICO


Enquanto a democracia na Itália e na Alemanha falhou em sobreviver aos traumas sociais e econômicos do primeiro período pós-guerra, deixando-se oprimida pelos regimes totalitários, na França e na Inglaterra, apesar da presença de instabilidade política e de uma profunda crise institucional, as forças democráticas foram capazes de resistir a qualquer tendência. autoritário.
Desenvolva o tópico, explicando os motivos de resultados tão diferentes.

TIPO DORDEM DO TEMA GERAL


Hoje, inúmeras necessidades da sociedade encontram uma resposta adequada, graças ao compromisso civil e ao voluntariado de pessoas, especialmente jovens, que, individualmente ou de forma associada e cooperativa, realizam intervenções suplementares ou compensatórias às adotadas pelos órgãos institucionais.
Na sua opinião, quais são as origens e as motivações profundas de tal comportamento?
Aborde o problema com as considerações sugeridas por sua carreira e suas experiências pessoais.

____________________________
Duração máxima do teste: 6 horas.
Somente o dicionário italiano é permitido.
Não é permitido deixar o Instituto antes de decorridas 3 horas desde o ditado


Vídeo: Глобалнатa задлъжнялост и финансовата криза - Част 2 (Janeiro 2022).